Virada de chave CLT

Virada de chave CLT é o termo informal que as pessoas utilizam no meio empreendedor, para ilustrar o momento em que uma pessoa deixa de ser funcionário contrato CLT, para se tornar autônomo ou empreendedor, e é justamente sobre este momento que quero conversar com você. Apesar de não ser adepta ao termo, o conceito me leva para diversas reflexões. Em meio à tantas mudanças que estão ocorrendo no mundo, percebo que as pessoas estão questionando o sentido da vida, e isso fez com que elas também repensassem seus modelos de trabalho.

Sejamos humanos

Certa vez, ouvi na graduação que um bom administrador é aquele que consegue separar a vida pessoal do trabalho. Certa vez, ouvi em uma palestra que um bom empreendedor, é aquele que consegue separar suas emoções do negócio. Essas afirmações na época fez sentido para mim, comecei a usar delas, para tentar me abster das emoções na minha rotina de trabalho. Acontece que, após passar anos tentando ocultar o que realmente sentia, lutando para esconder meus próprios sentimentos, querendo mostrar uma frieza inexistente, me custou alto. Não digo que estava errada em ter essa postura perante a vida por anos e anos, porém, hoje, percebo que parte da energia que me esvaiu, estava em tentar sustentar uma imagem que não era a minha.

Podemos fazer escolhas

Em uma aula de filosofia tive contato com a linha de pensamento de Sartre, o filósofo da liberdade, ele defendia que todos estamos condenados a sermos livres, ou seja, todos podemos fazer escolhas o tempo todo. Com este pensar, vi ser uma boa oportunidade de escrever meu primeiro texto, unindo a filosofia com o empreendedorismo.

Quantos sins, existem em um não?

Vivemos ouvindo que devemos aprender a dizer não, mas dentro do empreender, isso também se faz necessário? Ouço histórias de alguns clientes, que relatam como foram suas experiências, ao dizer sim para todas as propostas que lhe apareciam, e com isso, acumulavam tarefas na rotina, muito acima do que se era possível executar, fora que, muitas dessas empreitadas, mais lhe geravam dor de cabeça, que coisas boas. Mas vamos dizer a verdade, quem realmente tem facilidade em dizer não para algo? Porque eu mesma, não tenho. Sempre fico imaginando, “será que essa não é a oportunidade que eu esperava?”, “poxa, mas essa ideia é tão bacana, não vai me custar nada”, “gosto tanto deste profissional que me fez a proposta, o que custa tentar?” e é justamente por esses pensamentos, que custo a dizer não com firmeza.

Qual a capacidade produtiva do seu negócio?

Quantas aulas você consegue dar por mês? Quantas consultas pode fazer em uma semana? Quantos produtos você consegue produzir por dia? Atrelado aos afazeres de produção, quanto tempo você precisa para: se dedicar para produzir aulas; se manter atualizado; desenvolver atividades relacionadas ao administrativo e financeiro; gravar vídeos; fazer postagens nas redes sociais e; atender seu cliente?