A pressa é uma das principais inimigas do empreendedor.

De acordo com estatísticas, no Brasil 24% das empresas fecham nos primeiros dois anos de existência. 

A maior causa da morte das empresas, é a falta de organização financeira e planejamento, e o que a pressa tem relação com isso?

Para abrir um negócio, é preciso ter um planejamento prévio que além de auxiliar em várias tomadas de decisões, ajudará o empreendedor a avaliar a necessidade de capital de giro e em quanto tempo o negócio começará a trazer lucro para os sócios, sem pressa.

Como, estatisticamente, grande parte dos negócios começam a gerar lucro apenas após os primeiros dois ou três anos de existência, podemos dizer, que essas empresas que fecham nos primeiros meses, não tiveram o tempo de maturação necessário, para gerar resultados positivos.

Outro dia, conversando com uma empreendedora, ela disse jamais ter ficado mais de seis meses com o mesmo negócio, ou seja, ela não consegue dizer se estes negócios eram viáveis ou não. Pode ser que, dentro dessas ideias que ela colocou no ar, algumas delas pudessem trazer retornos extremamente satisfatórios.

Compreendo perfeitamente o fato do empreendedor brasileiro, iniciar seus negócios já precisando fazer retirada de pró-labore, para poderem sobreviver como pessoas físicas, porém, este salário do empreendedor, deverá ser muito bem calculado, para que o negócio não seja descapitalizado.

Muitas vezes, pela pressa em ganhar dinheiro, perdemos grandes oportunidades.

Você bem sabe, que eu e a Lara, somos muito alheias as fórmulas mágicas, pois todas elas, prometem resultados rápidos e extremamente lucrativos, porém, em sua maioria, infundadas, gerando diversos problemas para o empreendedor que nelas acreditam.

A impressão que tenho, é que tudo hoje é movido pela pressa, ninguém mais pensa em elaborar um negócio sólido e consolidado, as pessoas estão cada vez mais em busca do retorno pontual e imediato, ao invés do resultado constante. O que faz com o que os empreendedores abram diversas frentes de negócio, consigam resultados pontuais e, nessa altura, rapidamente precisam pular para o próximo negócio, depois para outro e outro. 

O tempo e dinheiro investido neste modelo de empreitada é extremamente é pouco aproveitado. O empreendedor não cativa o cliente e não constrói uma relação genuína.

O estar presente na vida, que diversas filosofias defendem, também deve ser levada para o empreendedorismo, é preciso estar presente no seu negócio hoje e compreender cada passo que é dado, você como empreendedor, precisa ter claro, o porque está fazendo o que faz e em quanto tempo você poderá colher bons frutos desta construção diária.

Agora conversando com você, me lembro de um dia, um ex-cliente que hoje mora em outra cidade, ter me ligado, tempos depois de termos encerrado nosso contrato de trabalho, estranhei sua ligação e perguntei se acontecera algo, foi quando ele me respondeu: Elisangela,  encerrei meus outros dois negócios porque não deram certo (detalhe, elas fecharam antes do tempo de maturação), estou aqui pensando, você sabe me dizer qual negócio hoje traz retorno rápido e com pouco esforço?

Respondi para ele, o que respondo para todo empreendedor que me faz esta pergunta: não sei e se soubesse, com certeza teria aberto este negócio, mas não abro, pois, sei que não existe.

Aprendi com meu pai quando criança, que nenhum dinheiro vem fácil, tudo requer grande esforço e dedicação e que demoraria muito para eu ser reconhecida pelo que faço.

Cada dia mais, vejo o quanto meu pai estava certo nesta afirmação.

Todo empreendedor que conheço, que conseguiu alcançar resultados fantásticos em suas empreitadas, são pessoas que se dedicaram noite e dia por anos em suas ideias. Houve mudanças em seus negócios? Claro que sim, porém toda e qualquer mudança, foram planejadas e suas ideias iniciais não foram trocadas por outras, apenas foram reformuladas para atender as necessidades do cliente que eles atendiam.

Portanto, te afirmo que a pressa é inimiga de todos, inclusive do empreendedor. 

Pense que seu negócio, é como uma semente, que precisa de terra arada e tratada, precisa ser regada, podada, cuidada, até que chegue no momento de gerar frutos, lembrando que, no meio do crescimento desta planta, é preciso evitar pragas, driblar as mudanças do tempo e mudar o local se for preciso, para ela receber luz.

Assim como as plantas, os negócios precisam ser cultivados e não podemos acelerar a colheita dos frutos, para não matar a planta ou o empreendimento.

Publicado por Elisangela Baptista

Ama viagens, lama, trilhas e outras aventuras. Consultora e mentora estratégica em negócios. Aspirante à Escritora. Educadora em Empreendedorismo. Palestrante. Atua na área desde 2004.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: